COBERTURA

Acompanhe a cobertura do evento
10
out

11:30 – O Novo Relatório do Auditor Independente e os Desafios a Serem Superados

Palestrantes:

Rogério Garcia – vice-presidente e diretor técnico nacional do Instituto dos Auditores Independentes do Brasil (Ibracon), sócio da KPMG.

Raimundo Christians – coordenador da Comissão de Finanças e Contabilidade do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC).

Para tratar do tema “O Novo Relatório do Auditor Independente e os Desafios a Serem Superados”, o auditor Rogério Garcia iniciou sua palestra apresentando o Relatório do Auditor da empresa United States Steel Corporation de 1902, onde pode-se ler “auditado e encontrado correto”. Desta forma, ele ressaltou as mudanças que ocorrem de tempos em tempos conforme as necessidades dos usuários desses relatórios.

Apesar das alterações pelas quais já havia passado, por muito tempo, o relatório seguia um padrão binário, de aprovação ou não das demonstrações. Com a adoção do Novo Relatório do Auditor Independente, as informações tornaram-se mais abrangentes, atendendo a um anseio dos investidores e de outros usuários.

Segundo Rogério, o novo padrão aumenta a transparência e a confiança, além de melhorar a comunicação referente à Governança Corporativa. Por esses motivos, a reação dos stakeholders foi bastante positiva.

A descrição dos Principais Assuntos de Auditoria (PAAs) é uma das alterações, que merece destaque e foi tema de uma pesquisa realizada pelo Ibracon. Mais de 500 relatórios foram analisados, destacando-se a listagem de PAAs de acordo com o segmento de atuação das empresas.

Com larga experiência em Conselhos de Administração e Comitês de Auditoria, Raimundo Christians ressaltou a necessidade de aproximação entre o auditor independente e os membros dos Conselhos de Administração que, nem sempre, possuem conhecimentos profundos sobre o papel desempenhado pelo auditor.

O projeto de atualização do relatório começou em 2006 por iniciativa da Federação Internacional de Contadores (International Federation of Accountants – IFAC) e passou a ser aplicado no Brasil nas auditorias de demonstrações contábeis relativas aos exercícios findos em e a partir de 31 de dezembro de 2016.

 

Responder