COBERTURA

Acompanhe a cobertura do evento
11
out

16:00 – PERÍCIA ARBITRAL

Palestrantes: Silvio Simonaggio – perito judicial e colaborador da Comissão de Mediação, Arbitragem e Perícia do CRCSP e João Bosco Lee – membro da Corte Internacional de Arbitragem da Câmara de Comércio Internacional de Paris.

Mediação: João Carlos Castilho Garcia – coordenador da Comissão de Mediação, Arbitragem e Perícia do CRCSP.

Silvio Simonaggio e João Bosco Lee abordaram o trabalho do perito contábil nos processos de arbitragem e fizeram considerações sobre algumas situações verificados nos tribunais arbitrais.

Lee começou a palestra explicando o processo de nomeação de peritos, que pode ser por solicitação das partes ou do árbitro, devendo este último aceitar ou não o pedido de prova pericial. Após a nomeação, cabe ao perito enviar sua proposta de honorários, que deve ser feita após um cuidadoso estudo do trabalho a ser executado, segundo o membro da Corte Internacional de Arbitragem.

“É impossível, por exemplo, entender a dimensão e complexidade do caso em duas horas. A proposta deve ser embasada para não ser contestada pelas partes ou pelo tribunal”, afirmou João Bosco Lee.

A experiência do profissional e a qualidade do serviço prestado foi outro ponto levantado. Simonaggio orientou os presentes a estabelecerem um honorário justo, que não superestime, nem desvalorize seu trabalho. “Devemos prestar o melhor serviço e cobrar o devido valor por ele. O dinheiro qualificado por um saber diferenciado”, declarou o perito.

A independência da testemunha técnica, a importância das provas documentais no laudo pericial e a convocação do perito para esclarecimentos na audiência foram outros assuntos abordados pelos especialistas.

João Carlos Castilho recomendou ao público que se preparem com antecedência e levem uma equipe para assessorá-los na audiência. “Ela não é apenas a apresentação de um relatório, mas uma discussão sobre o serviço executado. Vocês devem demonstrar ali que o laudo foi elaborado corretamente e que os resultados apontados são confiáveis”, declarou o conselheiro.

Responder