COBERTURA

Acompanhe a cobertura do evento
11
out

Na palestra magna de encerramento, Max Gehringer exalta a classe contábil, “sempre necessária”

Brasileiro, caipira e morador no interior, Max Gehringer brinca que só herdou o sobrenome do pai suíço. Desde 2002, quando fez a primeira palestra para contadores, Max Gehringer fala de mudanças, mas ele mesmo se surpreende com tantas modificações no mundo corporativo em tão pouco tempo.

“Comecei a trabalhar numa indústria de alimentos no setor de qualidade. Hoje, os equipamentos cuidam da qualidade e esse departamento nem existe mais nas empresas”.

Num mundo que muda a cada dia, quem sobrevive? “Quem sabe fazer a transição”, ensina Gehringer. Quem insiste, como os empresários que abrem uma empresa, quebram e abrem outra, até acertar.

“A Contabilidade é a profissão que mais foi afetada pela tecnologia, pelo novo mercado de trabalho, hoje com 65% das mulheres cursando Ciências Contábeis, pelas novas modalidades de ensino, como os cursos online lançados pelo CRCSP”.

Gehringer admite que os brasileiros não gostam de mudanças. “Eu não gosto, mas fui obrigado a mudar a minha vida em inúmeras ocasiões”. Num Brasil que vive períodos de fartura entre crises, a Contabilidade é uma profissão de grande empregabilidade, reforçou o palestrante.

“O contador está presente em todas as empresas, em todos os lugares do mundo”, disse um emocionado Max Gehringer, que agradeceu a oportunidade de falar a uma plateia tão grande e tão atenta.

“Aproveitem a oportunidade de fazer parte da classe contábil, valorizem-se, preparem-se e saibam que vocês são profissionais sempre necessários.”

 

Responder